26.2.08

Maçã (ou: o dia em que a terra parou )



A noite já estava no fim e ela cansada.
Cansada de tão cansada.
Procurar, procurar, achar que havia encontrado..
Não queria mais brincar disso.

*

Em algum momento da noite ( não saberia dizer qual), ela viu.
Pensou que não, mas era inegável. Insistiu que era só cansaço, já era tarde e ela estava ali a tanto tempo..

Olhou denovo. E denovo. E denovo.

E a cada vez que olhava, lhe parecia mais..... óbvio.
Era um corpo. E esteva lá o tempo todo sem que ela o notasse.
Como poderia? Logo ela, que aprendera a tanto tempo a arte de notar.
Pois é. Desabituara-se ao jogo. Na verdade, nem queria mais jogar.
Ficou lá um tempo e percebeu que também fora vista.
Ela de um lado. Ele do outro.
No peito repiqueavam irresistíveis candombes.
Será que ele estaria ouvindo?
Sim. Pois a olhou novamente.
Ele veio vindo, veio vindo, passou por ela e segurou-a em seu olhar, ou talvez ela o tenha segurado.
Um calor foi subindo desde a espinha dorsal, nuca, até as orelhas.
No momento seguinte pontas de algo se tocaram, mas ninguém viu.
Só eles. E um nó foi feito.

Ele já estava enlaçado nos seus olhos escuros.
Ela já estava em queda-livre nos seus olhos claros.


4 comentários:

Mezik disse...

See HERE

Jonas Rocha disse...

bora dançar ao som da MACACA PUTA domingo?

Akinogal disse...

See Here

Akinogal disse...

This comment has been removed because it linked to malicious content. Learn more.